SC terá 11 mil vagas em TI até 2015

A segunda edição do Mapeamento de Recursos Humanos em TIC de Santa Catarina indica uma perspectiva bastante positiva para profissionais que buscam uma oportunidade nesta área. Atualmente, 10.098 pessoas trabalham no setor em empresas de nove microrregiões do estado pesquisadas durante o estudo. Até 2015, 11.771 vagas deverão ser abertas por elas. Só em Florianópolis, onde há maior demanda por profissionais, as empresas de base tecnológica terão mais de 3,5 mil postos de trabalho em aberto ao longo de quatro anos.

As projeções são baseadas nos dados levantados no estudo realizado pela Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (ACATE), em parceria com o Governo do Estado, entre outubro e dezembro de 2011. No total, participaram da pesquisa, 354 empresas de TIC localizadas em Florianópolis, Joinville, Blumenau, Chapecó, Criciúma, Tubarão, Rio do Sul, Jaraguá do Sul e Lages.

Através de um questionário online, os representantes de cada organização consultada respondeu a perguntas relacionadas à ofertas de vagas imediatas e até 2015, habilidades necessárias para os cargos demandados e os cursos indicados pelos empresários como sendo necessários à qualificação de seus funcionários. Além disso, também quantificou as vagas disponíveis em cursos superiores e técnicos do setor tecnológico, o total de matrículas e a taxa de evasão nesses cursos.

O trabalho deu continuidade e ampliou o Mapeamento realizado em Florianópolis, em 2010, com o apoio da Prefeitura. Com os dados gerados pela pesquisa, o setor tecnológico catarinense, representado por entidades públicas e privadas, agora pode elaborar estratégias e definir rumos para a geração de mão de obra de qualidade para o setor.

Principais dados
Para se ter uma ideia, somente a Grande Florianópolis possuía 676 vagas disponíveis para contratação imediata em 2011, segundo a pesquisa. Depois da Capital, Joinville (416), Blumenau (355) e Chapecó (230) são as microrregiões que possuem mais empregos para começo imediato.

Outra característica apontada pelo Mapeamento é o perfil das organizações que procuram profissionais especializados em tecnologia. As micro e pequenas empresas são as que apresentam maior demanda, com 67% das oportunidades. Entre 2011 e 2015, elas devem oferecer cerca de 8,6 mil postos de trabalho em TI.

Os setores de atuação destas instituições também foram mapeados. Pelo estudo, 74% dos empregos que poderão estar disponíveis até 2015 são de empresas de software, além das prestadoras de serviços (22%) e das organizações na área de hardware (4%).

Até 2015, os perfis de profissionais mais demandados serão: analista desenvolvedor (1.047 postos de trabalho até 2015), analista de sistemas (1.030), programador Java (523), analista de implantações (399) e programador .Net (381). Na pesquisa, foram indicadas as seguintes habilidades demandadas pela empresa no momento da contratação durante a realização do estudo, em 2011: inglês-leitura, inglês-escrita, metodologias de desenvolvimento, modelagem de dados e linguagem SQL.

Além das organizações de TIC, participaram da pesquisa 237 empresas que não atuam diretamente no setor de tecnologia, mas que possuem vagas para profissionais da área. Nestas organizações, até 2015, estarão abertos 2.730 postos de trabalho.

Autor: Rodrigo Lóssio

Jornalista formado pela UFSC, especialista em Propaganda e Marketing pela UNIVALI, com MBA em Gestão de Negócios, Mercados e Projetos Interativos pelo I-Group. É sócio-diretor da Dialetto e editor executivo do blog TI Santa Catarina.

Compartilhe esta postagem
  • Pingback: Santa Catarina terá 11 mil vagas em TI até 2015 | Grupo Digital de Santa Catarina()

  • Wilson durlo

    ok, e os salários???? to cansado de ler sobre vagas, vagas, e mais vagas com SALÁRIOS RUINS!!!

  • é verdade! as empresas de TI de Florianopolis exigem que os candidatos saibam programar em PHP, JS, JAVA, C++, C#, COBOL e puta que pariu, mas querem oferecer 1 salário minimo para o profissional.

    Fui em várias entrevistas de emprego em várias empresas de Floripa, e a entrevista correu excepcionalmente bem, fluiu com uma energia muito positiva até então, mas, na hora que o entrevistador pediu minha pretensão salarial, eu, antes de responder, analisei a empresa e a função que iria exercer ali, então respondi: “… R$ 1.500,00”, (o que é uma valor rasuavelmente bom (talvez nem tanto) para iniciar com PHP pleno), então o entrevistador levantou de súbito da cadeira, estendeu a mão direita em minha direção e disse: “OK, semana que vem ligaremos para você, você já conhece a saída…”. Tenho certeza que após ter saído, ele pegou meu currículo, o amassou jogando-o ali no chão mesmo…

    Eu fico me perguntando se eles querem pagar 1 salário mínimo para o responsável que vai programar a segurança do sistema deles… depois não sabem porque tem tantos sistemas com problema de segurança como o FutebolCard e BlueTicket que tem até SQL Injection