Últimas Notícias

Inteligência Artificial aplicada na vida real é o tema do terceiro episódio do podcast Ecossistema
mar04

Inteligência Artificial aplicada na vida real é o tema do terceiro episódio do podcast Ecossistema

Podcast produzido pela agência Dialetto reúne as principais notícias do ecossistema de tecnologia e inovação de Santa Catarina Muita gente já ouviu falar em inteligência artificial, mas apesar do termo ter se popularizado nos últimos anos, ainda há dúvidas sobre o que de fato significa o termo e como essa solução está presente no dia a dia. Para esclarecer quais são as aplicações práticas dessa tecnologia l, o terceiro episódio do podcast catarinense Ecossistema aborda o tema.  O programa conta com uma entrevista com o desenvolvedor de softwares da Softplan, Mauricio Seiji, que explicou algumas das aplicações em Ministérios Públicos e até mesmo no combate à violência contra mulher.  O terceiro episódio do Ecossistema convidou também a Jéssica Zanelato, criadora e apresentadora do podcast PodProgramar, para participar do Momento Tech Power. Embaixadora do Technovation Girls, Jéssica esclareceu como funciona o projeto que  desafia meninas de 10 a 18 anos a utilizar a tecnologia para solucionar problemas da sociedade. E para celebrar o Dia da Internet Segura, em 11 de fevereiro, o analista de suporte da Supero Tecnologia, Ronald Glatz, deu algumas dicas de como fazer um uso seguro da rede.  Cada mês um novo tema de tecnologia O podcast Ecossistema é uma produção da Dialetto, agência de Santa Catarina especializada em impulsionar o crescimento de empresas de tecnologia por meio da comunicação. A ideia surgiu de uma oportunidade de levar informações relevantes do ambiente que a agência atua há mais de uma década.  O projeto piloto iniciou em novembro de 2019, e a cada mês um novo episódio é lançado, sempre trazendo os assuntos mais relevantes do ecossistema tech, promovendo o debate entre os convidados e especialistas. “Identificamos o crescimento do uso dos podcasts como plataforma de comunicação digital com alguns perfis de públicos, sobretudo profissionais do universo de tecnologia e marketing. A cada edição estamos aprimorando a experiência dos conteúdos e buscando trazer temas que possam interessar aos atores. A recepção do projeto tem sido muito interessante, a ponto de já termos demandas de clientes do ambiente de tecnologia interessados em investir neste novo formato, como estratégia complementar às ações de assessoria de imprensa e inbound marketing”,  explica Rodrigo Lóssio, diretor executivo da Dialetto.  O conteúdo é distribuído de forma gratuita nas principais plataformas digitais de streaming de música , basta acessar o http://ecossistema.tech e Deezer.   Notícia da Comunidade TISC enviada por Gabriela...

Leia Mais
Programa catarinense de inovação aberta cresce 300% em 2019
fev26

Programa catarinense de inovação aberta cresce 300% em 2019

Com objetivo de aproximar startups de grandes empresas com desafios de inovação, LinkLab passou de uma para três unidades e de 10 para 28 empresas patrocinadoras Fundado em 2017 pela Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), o programa de inovação aberta LinkLab apresentou crescimento de 300% em suas unidades e 280% no número de corporates patrocinadoras. No programa, que hoje disponibiliza 1.245m² de área entre salas de reunião e coworkings, grandes empresas com desafios de inovação se conectam a startups que podem solucioná-los com suas ideias e tecnologias. O LinkLab opera em rede, e conta hoje com três unidades — Florianópolis, São José e Joinville —, 28 corporates e mais de 45 startups conectadas. “O programa traz oportunidades de inserção no mercado para as startups, que apresentaram mais de 290 pitches somente neste ano, por exemplo, para diferentes players. Já para as corporates, a convivência diária em um ambiente colaborativo faz com que as ideias borbulhem e a inovação entre na empresa pelas portas da frente”, afirma Silvio Kotujansky, vice-presidente de Mercado da ACATE e idealizador do LinkLab. O objetivo da Rede de LinkLabs é fomentar a colaboração e a conexão entre os diferentes atores do ecossistema de modo a impulsionar seu desenvolvimento e crescimento. Como exemplo, somente no LinkLab Ágora, em Joinville, a soma de PIB interno resulta em mais de R$ 30 bilhões de faturamento das corporates, o que mostra quanto o setor de tecnologia movimenta da economia do Estado. “Outros exemplos de ações que promovemos no LinkLab para fomentar o ecossistema, destacam-se os mais de 30 eventos realizados, entre talks, palestras, workshops; cerca de 50 projetos colocados em prática entre as empresas conectadas, e aproximadamente 140 check ins foram feitos pelos participantes, atualizando o status das suas atividades no programa”, acrescenta Silvio. Os patrocinadores da Rede LinkLab são: Nexxera — cofundadora do LinkLab Primavera  —, Ambev, ArcelorMittal, Bloco/Brognoli, Catarinense Pharma, Faculdade Cesusc, Cisa, Dimas, Engie, FCDL, Flex, Governo de Santa Catarina, Havan, Hippo, Intelbras, Koerich, Marisol, Orbenk, OSTEC, Porto Itapoá, Realize, Schulz, Teltec, Tigre, Unimed Grande Florianópolis, Weg, Whirlpool e YouCast. Notícia da Comunidade TISC enviada por Gisele...

Leia Mais
Rede de Centros de Inovação pioneira no Brasil beneficiou mais de 1300 empresas de tecnologia em 2019
fev26

Rede de Centros de Inovação pioneira no Brasil beneficiou mais de 1300 empresas de tecnologia em 2019

Criada em parceria com a Prefeitura Municipal de Florianópolis, a Rede atendeu mais de 5 mil pessoas O ecossistema de tecnologia e inovação de Santa Catarina é o 6º maior em faturamento do Brasil e uma referência quando se fala em ideias pioneiras. Um exemplo é a Rede Municipal de Centros de Inovação de Florianópolis, gerida pela Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), em parceria com a Prefeitura Municipal de Florianópolis (PMF). Ao longo do último ano, a Rede beneficiou aproximadamente 1.300 empresas e impactou mais de cinco mil pessoas em 5014 reuniões e eventos realizados nos centros de inovação. A Rede é constituída por Centros de Inovação, ou seja, espaços coletivos e colaborativos onde empresas podem instalar suas sedes e trabalhar próximo a outros empreendedores e players. Atualmente, conta com quatro unidades: Primavera, Downtown, Soho e Sapiens Parque. “O objetivo da Rede é criar espaços propícios para que a inovação floresça e estimular que os empreendedores compartilhem experiências na operação de seus negócios”, afirma Daniel Leipnitz, presidente da ACATE. Um dos principais fatores que favorecem o sucesso deste formato é a ideia de cocriação. No CIA Primavera, por exemplo, primeira unidade da Rede, são mais de 40 empresas residentes. Somadas às 40 startups que integram o programa estratégico LinkLab e às 10 da incubadora MIDITEC — todos situados na mesma localização —, atingem quase 100 empresas compartilhando do mesmo espaço físico todos os dias. “Além do espaço colaborativo do CIA Primavera, os programas da ACATE proporcionam aos empreendedores contato com investidores, mentores, grandes empresários e demais players da área de tecnologia que os auxiliam a ingressar nesse mercado com cada vez mais força”, celebra Daniel. Outro recurso disponível nos Centros de Inovação são os Escritórios de Promoção da Inovação, espaços de acolhimento, orientação e suporte ao potencial empreendedor. Ao longo de 2019, cerca de 250 pessoas foram atendidas por esta estrutura nos quatro centros da Rede, sendo considerado uma das principais portas de entrada do empreendedor para o universo da inovação. Notícia da Comunidade TISC enviada por Rodrigo...

Leia Mais
Sete startups para acompanhar em 2018
dez18

Sete startups para acompanhar em 2018

Bitcoin é ou não é um bom investimento? As fintechs desbancarão os bancos tradicionais? As novas tecnologias vão desempregar muitos trabalhadores nos próximos anos? Mesmo sem respostas, esses questionamentos vêm dominando a atenção do mercado. Muitos impulsionados pelo crescimento das startups nacionais, seja pela inovação, seja pela aproximação com grandes empresas de diversos setores. Em 2018, o cenário não é diferente. Conheça as sete startups para ficar de olho no próximo ano:   Fintech: Fintech não se resume apenas à Nubank. O mercado brasileiro deste segmento financeiro continua crescendo em ritmo acelerado. No último ano, a quantidade de startups da área passou de 309 no país, um aumento de 41% em relação ao ano anterior. Entre elas, a Asaas foca em um público diferente: profissionais autônomos, MEIs e micro e pequenas empresas. Criada em dezembro de 2013, a plataforma ASAAS é uma solução completa para gestão de pagamentos e cobranças. E o crescimento está acelerado. Depois de fechar o ano de 2015 com um aumento de 400%, a startup financeira cresceu cerca de 320%, em 2016. No mesmo ano, os clientes ativos transacionaram um total de R$ 103 milhões via sistema. Desde o lançamento da startup, o sistema já recebeu investimentos de mais de R$ 6 milhões. O último aporte recebido foi no valor de R$ 2,5 milhões, liderado pelo fundo Cventures Primus.   Gestão empresarial: Muitas empresas estão investindo em gestão ágil para crescer de forma rápida e consistente. Com uma solução pioneira no Brasil, a CoBlue é especialista em metodologia OKR e a primeira no país a desenvolver um software deste segmento. O método de gestão, famoso por ser usado em grandes empresas como o Google, auxilia a potencializar o crescimento de instituições, aprimorar suas culturas organizacionais com foco em alto desempenho, aumentar a horizontalidade, transparência e cooperação dentro das empresas. No total, a CoBlue já impactou mais de 30 mil pessoas. A projeção é que até o fim deste ano 210 empresas adotem a solução e o software gere um aumento de 10 vezes no seu número de usuários, contratos e faturamento – em 2016, a receita da empresa foi de mais de R$ 1 milhão.   Varejo: Em geral, o lucro real dos supermercados representa apenas 2% de seu faturamento total. São muitos os processos que, por falta de automatização e modernização, se tornam lentos e caros. A Smarket surgiu em 2013 a partir da percepção desses problemas e se propõe a  potencializar as promoções e a agilizar a produção de materiais de divulgação. O software desenvolvido pela startup catarinense é pioneiro no país e conecta dados de estoque, validade, preços e estatísticas de venda, resultando na identificação dos produtos mais estratégicos para entrarem em promoção e automatizando a produção de tablóides, por exemplo. Estima-se que a metade das promoções realizadas não geram aumento nas vendas ou, muitas vezes, causam prejuízo aos mercados.   Eventos: O setor de Turismo, Eventos e Hospedagens cresceu 4,3% no primeiro trimestre de 2017, de acordo com dados do Ministério do Turismo. A área de eventos foi a segunda mais promissora no período, com crescimento de 6,9%, atrás apenas das operadoras de viagens. Olhando para esse cenário e para uma das maiores demandas da área, a startup mobLee decidiu investir em tecnologias que podem ser aplicadas de ponta a ponta...

Leia Mais
FAPESC distribui R$ 480 mil no Prêmio Stemmer Inovação Catarinense
nov07

FAPESC distribui R$ 480 mil no Prêmio Stemmer Inovação Catarinense

Treze pessoas receberam troféus, certificados e ordens bancárias referentes aos primeiros lugares no Prêmio Stemmer Inovação Catarinense, oferecido pelo governo estadual por meio da FAPESC (Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina). A solenidade de entrega reuniu, na FIESC, os contemplados, o governador Raimundo Colombo, o titular do MCTIC (Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações) e o presidente da FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos), Marcos Cintra, entre outras autoridades. O prêmio contemplou empresas, instituições e protagonistas da inovação em cinco categorias, nas quais os primeiros colocados receberam R$ 60 mil, os segundos lugares receberam R$ 30 mil, e os terceiros R$ 15 mil, totalizando R$ 480 mil. Eles também receberam troféus e certificados. A lista completa dos vencedores do prêmio Stemmer Inovação Catarinense pode ser acessada neste link. O vencedor da categoria Protagonista da Inovação foi Roberto Zagonel, idealizador da Torneira Prima Touch, que possui sistema de controle de temperatura gradual por toque e pode ser facilmente manuseada por pessoas com limitações físicas. O sistema facilita a montagem da torneira e elimina desgastes mecânicos. Na segunda colocação ficou Eduardo Jara, e em terceiro lugar Alvaro Michelotti. Na categoria Empresa Inovadora de Micro e Pequeno Porte, a primeira colocação ficou com a empresa INTRADEBOOK, de Florianópolis, que criou uma plataforma global de negócios internacionais para Pequenas Empresas, homônima à empresa.  Ela conecta clientes e fornecedores ao redor do mundo, oferece módulo de negociação, operação e lista de prestadoras de serviços de comércio exterior e logística. Presta serviços em três idiomas principais (Inglês, Português e Espanhol), com possibilidade de ampliação para Swahili, Francês e Russo. A empresa foi selecionada anteriormente pelo ITC International Trade Centre (agência da ONU e OMC) para ter a plataforma disponibilizada aos 164 países apoiados pelo ITC no mundo. As concorrentes nesta categoria foram a BYOND (EFICID-GYTH), que ficou na 2ª colocação, e a ATAR, que ficou em na 3ª posição. A categoria Empresa Inovadora de Médio e Grande porte foi vencida pela maior fabricante de fixadores da América Latina, a Ciser Parafusos e Porcas, de Joinville. Sua escolha se deu por causa do NanoTec® , um selante que apresenta alta versatilidade  que pode ser aplicado em superfícies metálicas, aumentando em até 20 vezes a resistência à corrosão sem interferência no aumento de espessura da camada, que em algumas aplicações poderia gerar problemas de montabilidade do produto final. As outras finalistas da categoria foram a Bry Tecnologia e a EMBRACO. Na categoria Instituição de CTI, o vencedor foi o Instituto Stela, que concorreu com a Plataforma Intelligentia, que representa uma evolução do conceito de observatório de conhecimento. A inovação auxilia a resolução de problemas nas organizações, unindo componentes internos e externos para conectar e localizar pessoas, conteúdos e processos, permitindo também compreender as oportunidades e riscos. A segunda colocação ficou com o Labsolda, da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), e na terceira colocação ficou com a UNISUL (Universidade do Sul de Santa Catarina). A última categoria foi Instituição Inovadora, que teve apenas uma finalista: a EMBRAPA Suínos e Aves, de Concórdia. A inovação-referência foi o abatedouro móvel, uma unidade itinerante com equipamentos para abate de animais domésticos em três modelos: suínos e ruminantes; aves; e pescado. Seu desenvolvimento está adequado às particularidades produtivas e a legislação sanitária e ambiental do...

Leia Mais