Preciso de grana para a minha startup. E agora?
set21

Preciso de grana para a minha startup. E agora?

Por Piero Contezini*  Há alguns anos, poucos sabiam o que significava o termo startup e como essas empresas podem revolucionar o mercado, dependendo do tipo de startup criada. Agora, elas estão constantemente na mídia, em notícias relacionadas à geração de empregos, crescimento exponencial, fusões e investimentos. Recentemente, o Mercado Livre adquiriu a startup catarinense Axado, empresa de gestão de fretes e soluções para e-commerce, pelo valor de R$ 26 milhões. Antes disso, a mesma startup já tinha recebido investimento de R$ 1,2 milhão, do fundo gerido pela FIR Capital BZplan. Esses aportes e vendas talvez sejam os maiores sonhos...

Leia Mais
Sua cidade está preparada para a gestão pública 2.0?
jun29

Sua cidade está preparada para a gestão pública 2.0?

Por Aldo Mees*   Uma definição da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a gestão pública de qualidade diz que ela precisa “gerar impacto tangível na melhoria da qualidade de vida da população, por meio de parcerias com o setor privado e a sociedade, de maneira sustentável”. Isso significa dizer que não adianta a gestão de uma cidade investir em equipamentos, tecnologias e sistemas se a transformação proporcionada por eles não for percebida por todos os cidadãos. Esse ponto convergente entre os indivíduos e a administração deve ser facilitado, integrador e onipresente. Se não for assim, não funciona.  ...

Leia Mais
Startup: documentos importantes para negociação com investidores
mar10

Startup: documentos importantes para negociação com investidores

  Por João Paulo de Melo Filippin*   No artigo anterior, enfatizei de que forma as startups podem negociar com investidores. Havendo interesse do investidor em aprofundar conversa sobre possível aporte de capital, o ideal é que a startup apresente um Acordo de Confidencialidade (Non Disclouser Agreement-NDA) prevendo o dever de sigilo, e a forma com que as partes repassarão informações uma a outra nesta fase de conhecimento e negociação.   Até para que o investidor possa tomar conhecimento da realidade da startup, é provável que  exija que lhe sejam demonstrados elementos de natureza técnica, financeira ou comercial, relacionada a know how,...

Leia Mais
Startup: como negociar com investidores
mar03

Startup: como negociar com investidores

  Por João Paulo de Melo Filippin*   Segundo a Forbes Brasil, apesar da situação macroeconômica do país não ter sido favorável em 2015, a indústria de tecnologia teve crescimento no ano passado, inclusive no que diz respeito a interesse de investidores em aportar valores em startups. E é a respeito desse momento especial no crescimento de uma startup, da sua união com um investidor, que pretendo abordar nesse artigo, sem ambições de esgotar o assunto.   Apesar de cada negociação ter as suas particularidades, em linhas gerais o caminho de enlace do investidor com a startup tem um roteiro...

Leia Mais
Sinal “amarelo” para empresas que coletam dados dos usuários de internet
set24

Sinal “amarelo” para empresas que coletam dados dos usuários de internet

Por João Paulo de Melo Filippin* No atual estágio da evolução do mundo digital, é inegável que a informação é um bem intangível de extrema valia, capaz de fazer multiplicar resultados econômicos e financeiros de qualquer empresa ou profissional que souber como bem utilizá-la. Ao nosso redor não faltam exemplos de que com estrutura, organização e inteligência na utilização de banco de dados conseguem-se resultados excelentes nos negócios. A navegação numa loja virtual, a opinião numa rede social, ou mesmo a data de aniversário evidenciam informações importantíssimas a respeito dos desejos e das necessidades dos usuários. E é de importância...

Leia Mais
Startups: efeitos jurídicos do uso do software para integralizar o capital social
jul29

Startups: efeitos jurídicos do uso do software para integralizar o capital social

por João Paulo de Melo Filippin No ato da assinatura de um contrato social destinado a criar uma sociedade empresarial, os sócios subscrevem um determinado número de quotas sociais, e a partir desse compromisso assumem o dever de integralizá-las. Em outras palavras, eles devem entregar à empresa a sua contribuição material (dinheiro, veículo etc.) ou imaterial (marca, uma patente etc). Em Startups, não raras vezes, esta contribuição à empresa se opera, de um lado, pela “entrega” do software por parte do jovem empreendedor e, de outro, pelo aporte de valores em espécie por um investidor, seja ele pessoa física...

Leia Mais
Página 1 de 41234