Rede de investidores anjo terá atuação em Santa Catarina

Associação sediará núcleo catarinense da Anjos do Brasil, organização voltada para o empreendedorismo inovador

Lançamento da Rede de Investidores Anjo de Santa Catarina foi durante o Verticalmoço da ACATE. Crédito: Rodrigo Lóssio

Lançamento da Rede de Investidores Anjo de Santa Catarina foi durante o Verticalmoço da ACATE. Crédito: Rodrigo Lóssio

A Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (ACATE) assumiu uma iniciativa para impulsionar o desenvolvimento de startups e empresas nascentes no Estado. Nesta terça-feira, 4 de agosto, a entidade lançou durante almoço das Verticais de Negócio a Rede de Investidores Anjo SC (RIA), que concede a Santa Catarina a oportunidade de sediar um núcleo da organização sem fins lucrativos Anjos do Brasil. A organização fomenta o investimento anjo para o empreendedorismo de inovação em 9 polos regionais pelo país. São 80 mil empreendedores e investidores cadastrados e cerca de 2,1 mil projetos submetidos no Brasil. Mais de 100 já receberam investimento.

Rede de Investidores Anjo - Santa CatarinaA RIA tem o objetivo de atrair e conectar investidores anjo de Santa Catarina e aproximá-los de empreendedores que buscam apoio para seus projetos de base tecnológica. Com mais de 750 empresas de tecnologia associadas, a ACATE terá o papel de fomentar o relacionamento na rede de investimentos no Estado. Já o know how da Anjos do Brasil servirá para disseminar informações aos investidores, como legislação e modelos de contratos em investimento anjo, além de orientar e avaliar startups para torná-las aptas a receber aportes futuros.

A iniciativa em Santa Catarina tem a liderança da diretoria da ACATE, que contou nesta constituição com o apoio de Marcelo Amorim, um dos fundadores da Anjos do Brasil e investidor com atuação no Estado. A ACATE terá como apoiador na condução dos trabalhos da RIA o investidor Marcelo Cazado, da Floripa Angels.

As atividades da RIA envolverão encontros como workshops para investidores e empreendedores, seleção de startups aptas à captação de investimentos e rodadas de apresentação de negócios, entre outras modalidades de networking.

A conexão desses públicos será viabilizada por uma plataforma on line já utilizada nacionalmente que reúne informações sobre investidores e projetos. A plataforma permite que empreendedores cadastrem seus projetos com todas as informações básicas necessárias e vídeo de apresentação.

Atuação em rede deve qualificar investimentos

O presidente da ACATE, Guilherme Bernard, explica que a rede será iniciada com 30 potenciais investidores, mas acredita que a atraia em pouco tempo em torno de 60 participantes.

Acreditamos que o movimento dará assertividade aos investimentos. Vemos várias pessoas que hoje querem investir no setor de tecnologia e muitas vezes acabam fazendo isso de forma individual, em um negócio que não é de sua expertise. A ideia da Rede de Investidores Anjo é ter pessoas com conhecimentos distintos para, não apenas dividir os riscos, mas agregar conhecimento aos negócios.

Guilherme Bernard, presidente da ACATE

Autor: Rodrigo Lóssio

Jornalista formado pela UFSC, especialista em Propaganda e Marketing pela UNIVALI, com MBA em Gestão de Negócios, Mercados e Projetos Interativos pelo I-Group. É sócio-diretor da Dialetto e editor executivo do blog TI Santa Catarina.

Compartilhe esta postagem