Palmsoft foca em games online gratuitos

LinkedIn

Favela DefenderO polo de games catarinense ganhou nos últimos anos grande projeção nacional e internacional, por conta de suas empresas e projetos de estruturação do arranjo produtivo. Exemplo de maturidade deste mercado é a própria Hoplon, nascida em Florianópolis e que já licenciou recentemente seu game massivo on-line, o Taikodom, para mais de 31 países.

A Palmsoft é outra empresa da capital catarinense de destaque no segmento de games brasileiro. Ela é considerada uma das madrinhas do SC Games, programa liderado pelo Governo do Estado e formalizado em junho deste ano. A produtora de games, criada por dois então estudantes da UFSC, nasceu como desenvolvedora de softwares para dispositivos móveis como palmtops – daí surgiu o próprio nome da empresa.

Palmsoft TecnologiaEm pouco tempo a empresa percebeu um novo nicho – o de desenvolvimento de games para celulares e smartphones. Lançou dezenas de games para o mercado brasileiro e mundial – tendo títulos em todas as operadoras nacionais e algumas da América Latina. Agora a Palmsoft aposta numa terceira onda de negócios: os empreendedores da startup estão a reposicionando rumo aos jogos online gratuitos.

Queremos ter um maior controle do nosso negócio. Não conseguíamos isso no mercado para celulares, levando em consideração o modelo atual da telefonia no Brasil. Com nosso próprio portal, teremos um contato muito maior com nossos clientes. No futuro, pretendemos voltar a desenvolver para plataformas móveis, mas sempre integrando com nossos projetos web.

Dennis Kerr Coelho, diretor da Palmsoft

Arena 41O mercado de portais de jogos gratuitos é dominado por companhias internacionais. Mas isso não assusta os jovens empreendedores da Palmsoft. A empresa acaba de lançar o portal Arena 41, que em apenas em uma semana alcançou 1,5 mil usuários. Até o fim do ano, o objetivo é chegar aos 10 mil.

Atualmente são seis jogos gratuitos publicados no Arena 41: Favela Defender, Bismarck Last Assault, Desert Defender, Gradiarena, Starship Defender e o Industrial Imperialism, considerado o primeiro jogo brasileiro gratuito massivo 100% baseado em web. Este jogo é ambientado numa época fictícia logo após a Segunda Guerra Mundial, em que a luta por recursos naturais como petróleo, carvão e ferro são essenciais para o crescimento das cidades e capitais. Outro destaque é o Favela Defender, um jogo de defesa de território ambientado em favelas brasileiras.

Industrial Imperialism

Todos os jogos gratuitos, mas o modelo de negócio do Arena 41 é oferecer customizações pagas para os usuários que optarem por obter recursos extras nos jogos. Por serem de uso massivo, os ganhos são em escala – quanto mais usuários na base, mais possibilidades de geração de customizações.

A Palmsoft é um dos ícones que representam a capacidade dos jovens em empreender na área de tecnologia. Bem sucedidos em uma primeira iniciativa que resultou na constituição e venda de uma empresa para uma multinacional, a Palmsoft agora se reinventa e demonstra como a inovação e o recomeçar podem dar nova perspectiva e dimensão a uma empresa. Atuando agora no segmento de jogos on-line a empresa promete atrair e aproveitar a colaboração de jogadores e outras empresas para fortalecer o seu portal on-line. Ou seja, são empreendores, atraindo e estimulando outros empreendedores, para fortalecer seu negócio. Por tudo isso, a Palmsoft, assim como as outras empresas do Pólo, conta com a torcida e apoio do Governo. Seu exemplo certamente inspirará outros jovens também a empreender e gerar emprego e renda para nossa população.

Marcelo Cavalcanti, diretor de Desenvolvimento de Ciência, Tecnologia e Inovação – DCTI – da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável – órgão que preside o Programa Santa Catarina Games no âmbito do Governo Estado

SC GamesAssim como a Palmsoft, o polo de games de Santa Catarina acaba de entrar em uma nova fase. O Governo do Estado como animador principal agora deve dar lugar a sociedade civil organizada. A gestão do pólo que passará a ser exercida pela SUCESU-SC e pelo Instituto Gene. Os demais apoiadores como o CIASC, a UFSC, a ACATE, o Sapiens Parque, a UNIVALI, a UNISUL, o SENAC e o SENAI, continuam, em conjunto com as empresas, a viabilizar cada vez mais iniciativas em prol do setor de Games e Entretenimento Digital.

Autor: Rodrigo Lóssio

Jornalista formado pela UFSC, especialista em Propaganda e Marketing pela UNIVALI, com MBA em Gestão de Negócios, Mercados e Projetos Interativos pelo I-Group. É sócio-diretor da Dialetto e editor executivo do blog TI Santa Catarina.

Compartilhe esta postagem