Gameway e Simpósio SC Games: diversão, entretenimento e inteligência

O TI Santa Catarina realizou neste fim de semana sua segunda cobertura ao vivo e colaborativa de um evento de tecnologia aqui no Estado. Estivemos no Gameway 2009 e no I Simpósio SC Games e, mais uma vez, optamos pelo Coveritlive para realizar uma dinâmica cobertura.

Diferentemente do EDTED Florianópolis, desta vez foram poucos os usuários do Twitter que participaram com notícias e informações das palestras do Simpósio e das novidades da feira de games. Confira como foi a cobertura.

[iframe http://www.coveritlive.com/index2.php/option=com_altcaster/task=viewaltcast/altcast_code=1d22fded26/height=450/width=420 450 420]

O Simpósio SC Games teve como objetivo discutir tendências e boas práticas no desenvolvimento de games aqui no Estado, além de mostrar as oportunidades de mercado e tecnologia. Foram realizados palestras, mini-cursos com técnicas de desenvolvimento e sessões de apresentações de artigos acadêmicos.

No sábado, César Barbado, da Techfront, apresentou em sua palestra os diferentes tipos de profissionais que atuam em empresas de desenvolvimento e o perfil desejado nas produtoras de games. A Techfront já tem 20 títulos lançados no mercado, sendo alguns deles em até 22 idiomas diferentes.

Cesar BarbadoNão é porque a pessoa é viciada em games, que automaticamente pode se tornar um desenvolvedor de games. É preciso muita dedicação e afinco para estudar e ser um bom profissional. As empresas precisam contar com bons profissionais em diversas áreas como produção, game design, arte, som, programação e controle de qualidade.

César Barbado, diretor da Techfront

A falta de cultura de desenvolvimento de games no Brasil e também de mão-de-obra qualificada, além dos poucos investimentos, são apontados pelos especialistas como algumas deficiências do setor no país.

Janon BerkaO Brasil é muito bem servido de profissionais na parte artística, em áreas como áudio e design. Aí, damos um banho e estamos de igual para igual para com outros países. O que mais falta são programadores voltados para desenvolvimento de games, que entendam de inteligência artificial, renderização, aplicativos 3D, dentre outros.

Janon Berka, diretor da Data3D e ThunderWorks

O Simpósio também contribuiu para o encontro da academia com o mercado. Entre os palestrantes esteve Esteban Clua, professor da Universidade Federal Fluminense (UFF). Em sua palestra, abordou como os videogames podem contribuir na sociedade.

Hoje é possível construir ambientes de aprendizado com todos os elementos de entretenimento e com a mesma capacidade de repasse de conteúdo que outras mídias já tradicionais de ensino a distância. Os games são a resposta para um novo modelo de e-learning.

Esteban Clua, professor da UFF

Gameway 2009

Estande da Pauta ConnectNa sua primeira edição, ano passado, foram somente quatro estandes de empresas no evento. Neste ano, mais de 10 estiveram expondo seus produtos e serviços, mostrando já o crescimento do evento, que teve várias atrações como campeonatos de diversos games, disputas no Rock Band Festival, concurso de Cosplay, entre outros. Teve até um simulador de carro de dentro de um StockCar, no estande da catarinense Pauta Connect. Algumas centenas de crianças, adolescentes e até adultos aficcionados por games lotaram os dois dias de evento.

Confira na galeria do FotoTIrepórter mais fotografias do Gameway e do Simpósio SC Games.

Autor: Rodrigo Lóssio

Jornalista formado pela UFSC, especialista em Propaganda e Marketing pela UNIVALI, com MBA em Gestão de Negócios, Mercados e Projetos Interativos pelo I-Group. É sócio-diretor da Dialetto e editor executivo do blog TI Santa Catarina.

Compartilhe esta postagem