Catarinenses de olho na nova normativa que define ponto eletrônico

LinkedIn

A instrução normativa que o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) publicou em julho define uma nova fiscalização do ponto eletrônico, ampliando a procura de soluções que atendam às exigências impostas. A portaria exige, entre outras coisas, que o sistema de ponto eletrônico armazene os dados, sem que eles não possam ser apagados ou alterados, e que ele tenha impressora de bobina de papel integrado. Tudo isso até 26 de agosto. Oportunidade para diversas empresas catarinenses de tecnologia que tem atuação direta ou indireta neste mercado.

Uma delas é a Circuitec, de Blumenau, que teve dois relógios homologados pelo MTE em junho – o Pontoall Óptico e o Pontoall Bio, em conformidade com a portaria 1.510. A empresa atua na pesquisa, desenvolvimento e produção de equipamentos eletrônicos nos mais diversos segmentos, dentre os quais estão produtos para comunicação remota, internet, controle de acesso, monitoramento de energia e fitness.

A Senior Sistemas, uma das maiores desenvolvedoras de softwares do Brasil, já disponibiliza seus sistemas adaptados à nova norma do MTE. A empresa oferece ainda treinamentos àqueles que desejam conhecer os impactos da Portaria 1510 nas rotinas das organizações. Além disso, um canal exclusivo on-line com conteúdo multimídia reúne informações que esclarecem dúvidas relacionadas à portaria.

Mais focada no mercado de ponto eletrônico está a Ahgora, empresa de Florianópolis incubada do MIDI Tecnológico, que também aposta no crescimento da demanda diante da normativa do Ministério do Trabalho. A empresa fez todas as mudanças tecnológicas previstas em lei, homologou o novo sistema e aposta na comercialização de mais de 5.000 peças do novo Registrador de Ponto Eletrônico (REP) até o fim do ano.

Toda uma estrutura foi montada pela empresa que está com um prazo de entrega para o equipamento de 20 dias: em média, as demais montadoras estão prevendo 60 dias.

Criamos uma estrutura de produção e representantes espalhados pelo país. Podemos atender empresas de norte a sul, com um prazo e preços competitivos.

Ricardo Monteiro, diretor executivo da Ahgora

Desde que foi anunciado pelo governo federal, a Ahgora já sentiu um crescimento de consultas para aquisição dos produtos. Porém, segundo a empresa, o mercado ainda está na espera diante das novas exigências e do custo que representa, principalmente para grandes empresas, que precisam trocar todo o parque já instalado, bem como as pequenas, cujo investimento acaba sendo maior diante do número de funcionários.

Um dos diferenciais que a empresa incubada do MIDI implantou em seu produto está a possibilidade de integrar o registrador de ponto eletrônico numa solução web, em que o empregador pode acompanhar de forma online todas as informações relacionadas ao produto. A oferta desta solução segue o conceito de software como serviço (SaaS). O sistema permite, inclusive, que seja feito backups das informações geradas pelo ponto eletrônico, assegurando a confiabilidade e a segurança dos dados adquiridos.

Confira vídeo da Senior Sistemas com mais informações sobre a portaria:

Autor: Rodrigo Lóssio

Jornalista formado pela UFSC, especialista em Propaganda e Marketing pela UNIVALI, com MBA em Gestão de Negócios, Mercados e Projetos Interativos pelo I-Group. É sócio-diretor da Dialetto e editor executivo do blog TI Santa Catarina.

Compartilhe esta postagem