Venture capital ajuda empresas catarinenses de tecnologia a crescer e se consolidar

LinkedIn

Setores econômicos marcados pela inovação, como a tecnologia, são os mais demandados pelos fundos de venture capital – grupos que, desde 1994, com a estabilidade do plano Real, puderam crescer e se consolidar no país como entidades de estímulo a negócios com potencial. De todos os investimentos desse tipo feitos no Brasil, 19,5% ocorrem em empresas do setor tecnológico, segundo dados apresentados pela Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP), entidade que organizou, na última quarta-feira (25/7), um workshop para apresentar aos empreendedores catarinenses do setor de TI as possibilidades e vantagens criadas com o aporte de capital de risco.

Gestores de fundos de venture capital, representantes da ABVCAP e diretores de empresas investidas participaram do evento, realizado no auditório da Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (ACATE). Depois de Florianópolis, o workshop ainda passará por Fortaleza e Belo Horizonte.

Ângela Ximenes

“Agora, queremos promover uma estratégia de regionalização e prospeção de novos negócios em vários locais do país.”

Ângela Ximenes, gerente executiva da ABVCAP

 

A interiorização dos investimentos também é a intenção da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), por meio de parcerias com entidades locais. “Fazemos acordos de cooperação técnica para aumentarmos nossa escala e conquistarmos capilaridade pelo país”, explica Bruno Rodrigues Camargo, Analista de Desenvolvimento Empresarial da FINEP.

A chegada de eventos como esse a Florianópolis responde a uma demanda do setor tecnológico local para ganhar visibilidade entre os investidores. “Temos um ecossistema inovador propício para trazer esse tipo de aporte para nós e para que estes grupos apareçam mais”, diz o Diretor Executivo do CELTA, Tony Chierighini. Ele mediou uma mesa de discussão com representantes de três fundos brasileiros – Criatec, BR Opportunities e CVentures – sobre o cenário catarinense de investimentos.  “Quando trago pessoas de fora para cá, elas ficam impressionadas com essa estrutura única – possivelmente a maior do país”, comenta o gestor regional do Criatec, Reinaldo Coelho.

João (esq.), Everton e Bernardo debateram o aporte de venture capital nas suas empresas

Esse cenário propício permitiu que duas empresas catarinenses do setor, Arvus Tecnologia e Cianet Networking, integrassem a carteira do Criatec. O diretor-presidente da Arvus, Bernardo de Castro, e o presidente da Cianet, João Francisco dos Santos, participaram da última mesa de debates do workshop, mediada pelo vice-presidente da ACATE, Everton Gubert. Ambos definiram os aportes como positivos, tanto pela questão financeira, quanto pela organização que é preciso ter para ser investido. “Isso ajuda a definir como a empresa pode mudar e contribui com o networking. Os empreendedores tem seu papel, são brilhantes, mas é preciso ter um bom gestor – e os grupos de venture capital colaboram também neste ponto”, diz João Santos. Além disso, a entrada desse “novo sócio” não tira a autonomia do empresário, segundo Bernardo de Castro. “Carregamos um histórico, uma relação passional com nosso negócio. O fundo traz um pouco dessa visão externa do negócio. No início, é possível ser um “faz tudo” – depois, é preciso ter uma equipe capacitada.”

Autor: Diego Cardoso

Jornalista, lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Morbi sagittis, magna ut ullamcorper consectetur, sapien felis faucibus eros, eget gravida lacus risus vel justo. Sed venenatis nulla molestie ipsum faucibus elementum. In posuere mi orci, imperdiet ullamcorper neque malesuada sed. Fusce aliquet eros in tincidunt maximus. In hac habitasse platea dictumst. Donec eros nunc, pharetra id luctus eu, pharetra in risus. Proin eget dolor eget purus sagittis facilisis sed a purus.

Compartilhe esta postagem