Cultura da inovação nas indústrias de SC

Prêmio FIESCAs empresas catarinenses Baumgarten, Ciser, Zanotti e Metalúrgica Riosulense mostraram que é possível melhorar produtos e processos, mesmo em um quadro de crise econômica. Elas venceram a 20ª edição da etapa estadual do Prêmio CNI/FIESC, graças a contribuição de seus profissionais. Para elas, a gestão da inovação e o incentivo dos colaboradores a buscar novas soluções são os segredos dos bons projetos.

Reunidos em equipes, eles desenvolveram soluções que promoveram a inovação, o desenvolvimento sustentável e o aumento da competitividade das empresas catarinenses. Em todos os casos, as boas ideias nasceram a partir de um cultura organizacional que incentiva a inovação.

CiserA equipe de melhoria da joinvilense Ciser identificou uma pane recorrente nas máquinas e a resolveu de modo simples, ao criar um dispositivo acionado automaticamente.

Como trabalhamos na área de manutenção, para nós é mais fácil identificar esses problemas. Sabemos quais máquinas dão mais problemas e onde devemos nos concentrar. Em seguida, discutimos com a equipe qual a melhor ideia e colocamos em prática.

Alexandre Melchert, Ciser

Entre os vencedores deste ano, algumas empresas confirmaram sua tradição de bom projetos. Foi o caso da Metalúrgica Riosulense, que já venceu dez vezes a etapa estadual e uma a nacional.

O segredo do êxito está na forma que os projetos de inovação são pensados. Em cada empresa o processo de inovação acontece de um jeito. Para que as empresas obtenham bons resultados em seus processos de melhoria, é preciso dar novas soluções para velhos problemas.

Luciano Dalla Nora, diretor industrial da Riosulense

Metalúrgica RiosulensePara chegar nas melhores soluções, a Riosulense utiliza uma metodologia de classificação das propostas. Esse filtro é feito de maneira simples, utilizando um plano cartesiano, sendo que as ideias são colocas em cada um dos quadrantes, de acordo com suas características. Um eixo é a dificuldade de implantação do projeto e o outro é impacto que o projeto dá. A empresa busca projetos com alto impacto com uma baixa dificuldade de implantação.

Com informações da assessoria de imprensa da FIESC

Autor: Rodrigo Lóssio

Jornalista formado pela UFSC, especialista em Propaganda e Marketing pela UNIVALI, com MBA em Gestão de Negócios, Mercados e Projetos Interativos pelo I-Group. É sócio-diretor da Dialetto e editor executivo do blog TI Santa Catarina.

Compartilhe esta postagem