Game educativo desenvolvido na UFSC incentiva cooperação entre crianças

Uma das telas do jogoUm game educativo desenvolvido na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e financiado pela Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina (FAPESC) será testado pelos alunos do Colégio de Aplicação a partir de abril. Além do jogo “Mata Atlântica, o bioma onde eu moro” a escola também receberá material de apoio ao professor, para uso em sala de aula a partir do quarto ano do ensino fundamental. Além dos testes no Colégio, o game – primeiro do gênero no Brasil feito para ser jogado com dois mouses conectados ao computador – estará disponível para download gratuito ainda neste ano.

A equipe de desenvolvedores do Laboratório de Educação Cerebral da UFSC, chefiado pelo neurocientista e pesquisador Emílio Takase, buscou através do game estimular a colaboração e o trabalho em equipe nas crianças. Os jogadores não competem entre si, mas precisam realizar uma meta comum, já que um jogador não consegue avançar para a etapa seguinte sem que seu companheiro tenha terminado as tarefas da etapa anterior. A equipe deve explorar os seis ecossistemas da Mata Atlântica – recriados com a ajuda da bióloga e autora de materiais paradidáticos Cristina Santos – e conhecer a fauna característica de cada um. Caso o tempo da aula tenha terminado antes do fim do jogo, é possível obter uma senha e retornarao mesmo ponto do jogo outro dia.

Foto de testes do game no projeto SESI Atleta do Futuro

Testes do game no projeto SESI Atleta do Futuro

“Edutenimento”

O game “Mata Atlântica, o bioma onde eu moro” vai introduzir a tecnologia multi-mouse nas escolas do Brasil. Em alguns estabelecimentos de ensino, os laboratórios de informática só dispõem de um computador por aluno e as crianças têm de trabalhar em grupo. A decisão dos pesquisadores da UFSC de fazer um game para ser jogado com dois mouses foi tomada não apenas como solução para a falta de infra-estrutura das escolas, mas como estratégia educacional, através do chamado “edutenimento”: ensinar mediante situações lúdicas e prazerosas, sem banalizar o processo de aprendizagem.

Com informações da assessoria de imprensa da FAPESC